O Antipetista



Recentemente, um conhecido petista de Ribeirão Preto, indignado com minhas críticas àquele partido, tachou-me de antipetista. Minha atuação política, entretanto, tem demonstrado exatamente o contrário. Assim: - Como vereador do PSB, em Ribeirão Preto, apoiei a candidatura vitoriosa de Antônio Palocci a prefeito, em 1992, que teve como vice um candidato do PSDB. - Apoiei a candidatura de Palocci à reeleição - Em 1989, como presidente estadual do PSB/SP, apoiei a candidatura de Lula a Presidente, participando com ele e alguns militantes dos primeiros mini comícios da campanha, em bairros e porta de fábricas de São Paulo - Fui o primeiro orador do comício de encerramento da campanha de Lula no primeiro turno, na Praça da Sé, com mais de 300.000 pessoas (Foto), - Em 2002, apoiei a candidatura vitoriosa de Lula a Presidente, apesar do PT haver indicado como vice José Alencar, filiado ao PMR, depois PR, partido da Igreja Universal do Reino de Deus, - Apoiei a candidatura de Dilma a Presidente, - Apoiei a candidatura de Dilma à reeleição e no segundo turno, meu carro era o único de Ribeirão Preto que exibia um colante da candidata, - Fui contra o impeachment de Dilma, - Apoiei a campanha “Lula Livre”, contra sua prisão arbitrária, injusta e ilegal. - Em 2018 apoiei as candidaturas a deputado dos petistas Carlos Zaratini e Adriano Diogo - Apoiei Fernando Haddad para presidente no primeiro e no segundo turno. Esse meu apoio engajado e militante se deu, APESAR: - de Palocci haver privatizado a lucrativa Telefônica de Ribeirão Preto (CETERP), apesar da minha tenaz oposição na Câmara Municipal, - de, em 2004, os militantes do PT, Ricardo Sobral e Fernando Tremura (que viria a ser anos depois, presidente do diretório municipal do PT, em Ribeirão Preto), terem comparecido à porta do meu Comitê Eleitoral, liderando cerca de 10 cabos eleitorais pagos pelo partido. Na oportunidade, comandaram vaias contra mim, gritando palavras de ordem ofensivas à minha militância na luta armada, contra a ditadura militar. - das leis repressivas instituídas pelos governos petistas, tais como a lei antiterrorismo (Dilma), a serviço dos Estados Unidos, da tornozeleira eletrônica e muitas outras, - de Dilma ter afirmado que “daria autonomia total à Policia Federal, o que de fato aconteceu, criando no País um poder paralelo, do qual muitos petistas, inclusive Lula, foram as primeiras vítimas, - da invasão do Haiti para reprimir levantes populares, a serviço dos Estados Unidos, em cuja ação, as Forças Armadas Brasileiras, das quais Lula era o comandante supremo, deixaram centenas de cadáveres, - de Lula ter colocado para gerir a economia do País, dando-lhes a chave do cofre da nação, Delfim Neto (responsável pela economia brasileira durante a ditadura militar) e Henrique Meireles, alto executivo do Banco de Boston e filiado ao PSDB. Delfim Neto se notabilizou também, durante a ditadura militar, juntamente com Henning Albert Boilesen, presidente do grupo ULTRA (executado pela guerrilha), por arrecadar fundos entre empresários para a Operação Bandeirantes (OBAN), local onde foram torturados e assassinados vários patriotas brasileiros que lutaram contra a ditadura. - dos responsáveis pela economia nos governos petistas terem tentando outorgar autonomia ao Banco Central, medida que entregaria as finanças do Brasil ao capital nacional e internacional. É importante ressaltar que não lograram seu intento, graças à pressão de alguns dirigentes petistas contrários à medida. - De Dilma ter colocado para cuidar do cofre da nação, Joaquim Levi, (do BRADESCO), - De Dilma haver nomeado Ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella, dirigente da Igreja Universal do Reino de Deus e cunhado de Edir Macedo, - Dos governos petistas terem engordado os grandes conglomerados de comunicação do País, inclusive a Rede Globo, - dos governos petistas terem sempre mantido intrínsecas ligações com os grandes capitalistas brasileiros, - dos governos petistas terem se afundado em imensa corrupção, contradizendo o falso moralismo apregoado pelo partido em seus primórdios e a afirmação de que o PT era o único partido honesto do Brasil. Etc, etc, etc… Na verdade, a prática política do PT, sempre foi, fazer campanha com a esquerda e governar com a direita. Efetivamente, não sou antipetista, e não considero o PT meu inimigo, como setores daquele partido me consideram em Ribeirão Preto, até porque, meu inimigo é o nazifascismo. Na atual conjuntura política, o governo fascista ataca o PT como sendo a única força de esquerda no país, jogando na vala comum os verdadeiros partidos de esquerda existentes no Brasil. Hoje, defendo uma coligação de partidos e entidades efetivamente de esquerda, que ultrapasse as questões eleitorais, solidificando cada vez mais o Movimento Popular contra o fascismo e virando definitivamente a página do PT.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo