Aos companheiros do 2º Congresso da Unidade Popular pelo Socialismo:


Vivemos dias nos quais o combate ao fascismo é a principal tarefa dos Revolucionários brasileiros.

Jair Bolsonaro está cada vez mais isolado com seus colaboradores, sustentando-se politicamente com pronunciamentos agressivos, proferindo todo tipo de ameaça a quem se posicione contra seu governo.

Na verdade Bolsonaro pratica cruel genocídio contra nosso povo, afundando o país na miséria, na carestia e na corrupção.

Seu governo trouxe ao povo brasileiro o arrocho salarial, o desmonte do serviço público, a destruição do meio ambiente, a homofobia, o racismo e a mais abjeta discriminação da mulher, enquanto o Presidente faz aparições em público desafiando a pandemia e receitando drogas inúteis para a doença.

Não podemos, entretanto, subestimar o inimigo. Sentindo-se cercado, Bolsonaro começa a entrar em desespero e cada vez mais instiga seus apoiadores contra os adversário políticos, ameaçando-os sempre que tem oportunidade.

Temos vários exemplos na História da violência praticada pelos fascistas

contra a esquerda em situações semelhantes, não hesitando em recorrer a

agressões, assassinatos e atentados.

Mais que nunca precisamos ocupar as ruas e cada vez mais agregarmos parcelas da população que mais sofrem com as investidas do Presidente fascista.

A UP é o único partido de esquerda que faz uma análise de conjuntura condizente com o momento político que ora atravessamos, deixando claro que nossa luta é contra o fascismo e o fascista Bolsonaro, enquanto os partidos da social-democracia, somente têm olhos para as eleições do próximo ano.

Assim, o candidato dito de esquerda e melhor posicionado nas pesquisas está certo de que terá o apoio dos partidos da esquerda Revolucionária e se apressa a costurar acordos eleitorais com as forças reacionárias e corruptas desse país, ficando claro que seu eventual governo será muito mais comprometido com o grande capital do que o anterior, que tinha como ministros banqueiros e seus

representantes, nomes indicados pela “igreja” Universal e Delfim Neto, o super

Ministro da Economia durante a ditadura militar.

A UP não é e nunca foi um partido eleiçoeiro.

Nosso propósito é educar as massas e dirigi-las em sua lutas econômicas e, o principal, conduzi-las à conquista do Socialismo.

Não podemos, entretanto, deixar para pensar nas eleições apenas no ano que vem.

A UP, corretamente, segue a diretriz leninista segundo a qual devemos

participar do parlamento burguês e portanto das eleições daqui a 12 meses.

Alguns candidatos a Presidente da República já se movimentam pelo país e

em cada cidade que visitam atraem a imprensa e pessoas interessadas em

conhecer seus programas de governo.

Entendo que seja hora de termos nosso candidato.

Com certeza ele terá amplas possibilidades de divulgar nosso partido e

nossa proposta Revolucionária, que seguramente ficará conhecida em todo o

Brasil.

Entendo que a UP deva sair de seu Congresso Nacional com um pré-candidato a Presidente da República, que com certeza será escolhido entre nossos melhores quadros e que, com sua firmeza ideológica tenha condições políticas de cumprir essa importante tarefa que nosso partido deverá lhe atribuir.


Ribeirão Preto, 17 de outubro 2021.


Leopoldo Paulino

Militante da Unidade Popular pelo Socialismo - UP

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo